Conjugalidade e violência contra a mulher: reflexões sobre os prontuários de atendimento da ONG SOS Mulher/Família

Neste artigo buscamos compreender violência conjugal contra a mulher, em Uberlândia, Minas Gerais, atendida por uma das instituições de apoio às mulheres em situação de violência, a ONG SOS Mulher/Família, que atua em casos de violência doméstica e intrafamiliar. Procuramos contextualizar esta violência específica dentro da perspectiva de gênero, através

da pesquisa bibliográfica e da análise dos prontuários de atendimento realizados pela instituição, entre 2001 a 2006. Para tanto, partimos da perspectiva teórica de que violência contra a mulher é cometida em decorrência da construção dos papéis de gênero, em relações de poder assimétricas, nas quais homens e mulheres detêm poderes díspares. De tal modo, a violência conjugal, assim como outras modalidades de violência de gênero, se originaria nas relações de poder e dominação advindas das construções sociais interiorizadas que privilegiam o masculino.