Livro: Da Lagarta à Borboleta

capa livroLivro Da Lagarta à Borboleta: pesquisas e intervenções em violência familiar.
GUERRA, Cláudia; NOVAIS, Gercina S. & VIEIRA, Analúcia M. (Orgs). Da lagarta à borboleta: pesquisas e intervenções em violência intrafamiliar – Uberlândia: Editora Hebrom, 2012. 202p.

Primeira edição esgotada.

Segunda edição em elaboração. Mais informações sobre como adquirir: (34)3215-7862 ou pelos e-mails administrativo@sosmulherfamiliauberlandia.org.br / diretoria@sosmulherfamiliauberlandia.org.br



Artigo Lugar dos Gêneros é em Todo Lugar

Lugar dos gêneros é em todo lugar: meninas e meninos brincam de carrinhos e de bonecas - Cláudia C. Guerra

 Resumo: Este artigo discute os prejuízos para meninos e meninas a partir da educação diferenciada, fragmentada, dicotômica entre os sexos e propõe a educação cidadã e integral, onde as tarefas se dão por habilidades e competências e não por funções tradicionalmente construídas. Para tanto, problematizam-se as construções de gênero, as relações de poder e educação formal e informal, a partir da análise de fontes históricas como músicas, dicionário, ditos populares, experiências e práticas sociais.

 

Faça o Download agora do Artigo Completo


Conjugalidade e violência contra a mulher: reflexões sobre os prontuários de atendimento da ONG SOS Mulher/Família

Neste artigo buscamos compreender violência conjugal contra a mulher, em Uberlândia, Minas Gerais, atendida por uma das instituições de apoio às mulheres em situação de violência, a ONG SOS Mulher/Família, que atua em casos de violência doméstica e intrafamiliar. Procuramos contextualizar esta violência específica dentro da perspectiva de gênero, através

da pesquisa bibliográfica e da análise dos prontuários de atendimento realizados pela instituição, entre 2001 a 2006. Para tanto, partimos da perspectiva teórica de que violência contra a mulher é cometida em decorrência da construção dos papéis de gênero, em relações de poder assimétricas, nas quais homens e mulheres detêm poderes díspares. De tal modo, a violência conjugal, assim como outras modalidades de violência de gênero, se originaria nas relações de poder e dominação advindas das construções sociais interiorizadas que privilegiam o masculino.