ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia - Pelo Fim da "Cultura do Estupro"

Na indignação nos unimos diante deste absurdo e recente caso de estupro coletivo que, à revelia de nosso estranhamento, se soma a vários outros casos sobre os quais sequer sabemos, sequer são noticiados, sequer são contabilizados... sequer são punidos. Casos como este, em que foi vítima a jovem de 16 anos moradora do Rio de Janeiro, nos impacta e provoca à uma série de reflexões e questões: Vivemos a cultura do estupro? O que alimenta esta cultura do estupro? Até quando mulheres temerão viver livremente sem serem apontadas como culpadas da violência que sofrem? Quem é o estuprador, onde ele está, o que ele representa em nossa sociedade? Até quando a sociedade, e em especial as mulheres, ficarão vulneráveis a este tipo de violência? Por que a perspectiva de punição efetiva se perde no caminhar dos processos?


As comemorações de Março: Mês das Mulheres e aniversário dos 19 anos da ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia

Março de 2016, como se esperava, foi um mês bastante movimentado para a ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia. Com diversas entrevistas, minicursos e palestras concedidas, montagem de stand para comemoração e exposição de dados alusivos ao Dia Internacional da Mulher e realização de um Talk Show “Os desafios da Mulher na Atualidade” comemorativo dos 19 anos da ONG. Este mês da mulher, definitivamente, teve história para contar. Confira abaixo um breve balanço de nossas atividades:



ONG SOS Mulher e Família faz atividade em escolas sobre violência

Conforme a lei nº 11.988, de 27 de julho de 2009, ocorrem em todas as escolas de ensino fundamental e médio da rede pública do país, a atividade denominada Semana de Educação para a Vida. Em algumas das escolas em Uberlândia foram dos dias 30 de novembro a 4 de dezembro que tais atividades ocorreram. Nesta oportunidade singular, a ONG SOS Mulher e Família, esteve presente em 3 escolas: ESEBA - Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia, Escola Estadual Professor Inácio Castilho e Escola Estadual Ângela Teixeira. Tal atividade realizada pela equipe técnica de atendimento da ONG está prevista no estatuto da instituição, no qual contempla atividades de cunho socioeducativo.