PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME): MOMENTO REVELADOR DE FORÇAS E TENDÊNCIAS DECISIVAS NA CONJUNTURA POLÍTICA: A IDADE MÉDIA É UM ESPECTRO QUE NOS RONDA

Ao longo de mais de dois anos, o Conselho Municipal de Educação, professores e pais de estudantes da Rede Municipal de Ensino de Uberlândia e movimentos sociais ligados à educação debateram os temas afeitos à exigência da LDB de que cada município tenha um PME. Na plenária final, a participação foi de 687 pessoas. Em dezembro de 2014, todo esse trabalho foi entregue no formato de Documento Referência ao Prefeito Municipal que, por sua vez, encaminhou o Projeto de Lei à Câmara Municipal para que, finalmente, esta cidade tenha seu PME, o que a credencia a muitas dimensões e ações, a maior de todas o desafio de planejar, democraticamente, a educação.


A “ideologia de gênero”, a equidade e os planos de educação

Toni Reis*

"Ideologia, eu quero uma para viver (Cazuza)"

 

Nas discussões sobre os Planos Estaduais e Municipais de Educação, criou-se uma falsa premissa, uma falácia, uma grande distorção, que – de tanto ser repetida – transformou-se em verdade para quem segue de forma acrítica os semeadores da mesma. A falácia recebeu o nome de “Ideologia de gênero”, e suas principais alegações são que por meio da educação há uma conspiração internacional que quer “perverter” as crianças, ensiná-las a ser gays e destruir a família dita tradicional. Para esta discussão, precisamos ter serenidade, racionalidade, lógica, dados e paciência para ouvir todos os lados. Não existem soluções binárias e dualistas para questões tão complexas.


Nota de Repúdio

A ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia se indigna e repudia a atitude dos(as) vereadores(as) de Uberlândia que votaram, dia 16 de junho, pela retirada da terminologia gênero do Plano Municipal de Educação. Um retrocesso histórico sem igual e desrespeito à comunidade que o produziu democrática e coletivamente.


ONG SOS Mulher e Família realiza há 18 anos Formação Continuada e Cuidando dos Cuidadores: diferenciais para intervenções qualificadas em violência familiar

Nosso projeto consiste em oferecer formação continuada para equipe de profissionais de diferentes áreas, como serviço social, psicologia, direito, administração, história, relações internacionais, enfermagem, sejam voluntários, estagiários, bolsistas ou funcionários, que atuam direta ou indiretamente com o público envolvido com violência de gênero, conjugal e intrafamiliar e apoio técnico, teórico, vivencial e humano, às ações de gestão, comunicação e atendimentos da ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia e do Programa Patrulha de Atendimento Multidisciplinar - PAM(Programa que será revitalizado a partir de junho/2015 sem a presença da PMMG). A formação se concretiza por meio de cursos, oficinas e estudos em equipe e de trabalho com diferentes temáticas relacionadas à violência, gênero, poder, movimentos sociais, políticas públicas afins, masculinidades, concepções de família, alienação parental, abuso de substâncias psicoativas, Lei Maria da Penha e legislação correlata, mitos e “ciclos” que envolvem a violência doméstica, diagnósticos sobre atendimentos, discussões de casos, dentre outros temas escolhidos pela equipe participante. Metodologicamente, há textos base para leituras ou exercícios a serem previamente feitos, de modo que todos são sujeitos no processo e há interação para a construção coletiva. Têm acontecido quinzenalmente com duração aproximada de 1h 30 min.