COMUNICADO E ESCLARECIMENTO À COMUNIDADE: Revitalização do Programa de Abordagens Domiciliares em Situação de Violência Familiar

O Programa PAM (Patrulha de Atendimento Multidisciplinar) parceria entre ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia - onde se operacionalizava o mesmo – Polícia Militar de Minas Gerais, UFU e Prefeitura de Uberlândia para abordagens domiciliares em violência doméstica(fora do contexto imediato do conflito para garantir segurança dos civis), foi constituído em 2003, sendo pioneiro, inédito, premiado por Excelência Cidadã via ONG duas vezes, objeto para produção de trabalhos acadêmicos, inclusive com publicação e apresentação de artigos em congressos científicos internacionais por parte da ONG e UFU e referência para constituição de outros programas como a PVD (Prevenção à Violência Doméstica) em Belo Horizonte (mas sem participação direta de civis) e cidades do entorno, cidades do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro e Patrulha Maria da Penha no Nordeste.


PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO (PME): MOMENTO REVELADOR DE FORÇAS E TENDÊNCIAS DECISIVAS NA CONJUNTURA POLÍTICA: A IDADE MÉDIA É UM ESPECTRO QUE NOS RONDA

Ao longo de mais de dois anos, o Conselho Municipal de Educação, professores e pais de estudantes da Rede Municipal de Ensino de Uberlândia e movimentos sociais ligados à educação debateram os temas afeitos à exigência da LDB de que cada município tenha um PME. Na plenária final, a participação foi de 687 pessoas. Em dezembro de 2014, todo esse trabalho foi entregue no formato de Documento Referência ao Prefeito Municipal que, por sua vez, encaminhou o Projeto de Lei à Câmara Municipal para que, finalmente, esta cidade tenha seu PME, o que a credencia a muitas dimensões e ações, a maior de todas o desafio de planejar, democraticamente, a educação.


A “ideologia de gênero”, a equidade e os planos de educação

Toni Reis*

"Ideologia, eu quero uma para viver (Cazuza)"

 

Nas discussões sobre os Planos Estaduais e Municipais de Educação, criou-se uma falsa premissa, uma falácia, uma grande distorção, que – de tanto ser repetida – transformou-se em verdade para quem segue de forma acrítica os semeadores da mesma. A falácia recebeu o nome de “Ideologia de gênero”, e suas principais alegações são que por meio da educação há uma conspiração internacional que quer “perverter” as crianças, ensiná-las a ser gays e destruir a família dita tradicional. Para esta discussão, precisamos ter serenidade, racionalidade, lógica, dados e paciência para ouvir todos os lados. Não existem soluções binárias e dualistas para questões tão complexas.


Nota de Repúdio

A ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia se indigna e repudia a atitude dos(as) vereadores(as) de Uberlândia que votaram, dia 16 de junho, pela retirada da terminologia gênero do Plano Municipal de Educação. Um retrocesso histórico sem igual e desrespeito à comunidade que o produziu democrática e coletivamente.