Últimas Notícias

  • LEI 11.340 MARIA DA PENHA COMPLETA 12 ANOS - LEI (IN)SUFICIENTE PARA O ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONJUGAL, DOMÉSTICA E DE GÊNERO?

    No dia 07 de agosto de 2018, completa 12 anos a Lei Maria da Penha e faz-se necessário um balanço sobre a mesma, diante de tantos crimes contra a mulher no âmbito doméstico e de se perceber o problema como questão social, de saúde, de segurança pública, de gênero e de direitos humanos. Crenças questionáveis presentes no imaginário social, quando por exemplo, diante da afirmação “Mulheres que Usam Roupas que Mostram o Corpo Merecem ser Atacadas”, 26% concorda totalmente ou parcialmente; 3,4% são neutros e 70% discorda parcialmente ou totalmente. E da afirmativa “Mulher que é agredida e continua com o parceiro gosta de apanhar”, 65,1% concorda totalmente ou parcialmente, 1,9% é neutro e 32,4% discorda parcialmente ou totalmente. A amostragem foi de 3.810 pessoas, em 212 municípios do Brasil, sendo 66,5% mulheres e restante de homens e dentre a amostragem 19,1% são idosos(as) (IPEA, 2013).
  • III Simpósio da ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia

    A ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia promoveu em 24 novembro de 2017, seu III Simpósio Regional. O evento intitulado “Quem cala, consente? Afetos, poderes e políticas sobre violência de gênero” tem como objetivo mobilizar o debate sobre políticas públicas em prol das mulheres e problematizar as relações de gênero, em contexto de governos e legislativos que retrocedem avanços e direitos.  
  • ASSESSORIA JURÍDICA

    A SOS Mulher e Família de Uberlândia oferece serviços jurídicos em parceria com a ESAJUP – Escritório de Assessoria Jurídica Popular da UFU, de uma forma até então inédita em organizações não governamentais que atuam no enfrentamento à violência de gênero e violência contra a mulher. Através do projeto "Todas por Ela", as mulheres que sofreram ou sofrem qualquer tipo de violência têm acesso gratuito a orientação, assistência e serviços de profissionais e estagiárias do Direito capacitadas e profundamente engajadas na luta contra a desigualdade de gênero.
  • Dos/as políticos/as eleitos/as, a sociedade quer compromisso!

    Dos/as políticos/as eleitos/as, a sociedade quer compromisso, a ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia quer compromisso!!   Recentes pesquisas revelaram que 1/3 da população brasileira ainda atribui à mulher-vítima a culpa por ter sofrido estupro. Este tipo de informação nos alarma e nos faz refletir: muito, mas muito mesmo precisamos avançar no combate à violência de gênero e contra a mulher!! Reconhecidamente, a questão da violência de gênero e contra a mulher precisa ser tratada com responsabilidade, compromisso e efetividade. Neste contexto, não vigora mais a ideia de que intervenções em situações de violência contra a mulher representam “item de perfumaria”, facilmente abordáveis com estratégias simplistas, superficiais, discriminatórias e ineficazes.
  • Violência Contra Mulher Não Tem Desculpa, Tem Lei!

    Lei 11340 MARIA DA PENHA COMPLETA 10 ANOS - LEI (IN)SUFICIENTE PARA O ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONJUGAL E DOMÉSTICA? No dia 07 de agosto de 2016, completa 10 anos a Lei Maria da Penha e faz-se necessário um balanço sobre a mesma, diante de tantos crimes contra a mulher no âmbito doméstico e de se perceber o problema como questão social, de saúde, de segurança pública, de gênero e de direitos humanos. Crenças questionáveis presentes no imaginário social, quando por exemplo, diante da afirmação “Mulheres que Usam Roupas que Mostram o Corpo Merecem ser Atacadas”, 26% concorda totalmente ou parcialmente; 3,4% são neutros e 70% discorda parcialmente ou totalmente. E da afirmativa “Mulher que é agredida e continua com o parceiro gosta de apanhar”, 65,1% concorda totalmente ou parcialmente, 1,9% é neutro e 32,4% discorda parcialmente ou totalmente. A amostragem foi de 3.810 pessoas, em 212 municípios do Brasil, sendo 66,5% mulheres e restante de homens e dentre a amostragem 19,1% são idosos(as) (IPEA, 2013). Dados que não sangram, mas indignam: 1 feminicídio a cada 90 minutos no Brasil(IPEA, 2013); 43 mil mulheres assassinadas em 10 anos, 41% em casa, no Brasil. (Mapa Violência Brasil, 2012); 41% dos brasileiros (cerca de 52 milhões de pessoas) admitem conhecer algum homem que já foi violento com a
  • 10 anos da Lei Maria da Penha - Avanços e Reflexões

    No último dia 28 de junho, a ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia compôs o evento realizado pela Superintendência da Mulher – PMU, em alusão aos 10 anos da Lei Maria da Penha. Tal evento foi uma oportunidade para que representantes de diferentes instituições apresentassem suas considerações sobre os impactos da Lei Maria da Penha nas intervenções realizadas junto aos casos de violência contra a Mulher. Na ocasião, a ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia foi representada por sua Coordenadora Administrativa, Suyane, que expôs questionamentos que precisam sempre ser objeto de reflexão com vistas ao estabelecimento de atuação crítica e em direção ao aprimoramento no trato com processos de violência tão arraigados em nossa cultura e sociedade.
  • ONG SOS Mulher e Família de Uberlândia - Pelo Fim da "Cultura do Estupro"

    Na indignação nos unimos diante deste absurdo e recente caso de estupro coletivo que, à revelia de nosso estranhamento, se soma a vários outros casos sobre os quais sequer sabemos, sequer são noticiados, sequer são contabilizados... sequer são punidos. Casos como este, em que foi vítima a jovem de 16 anos moradora do Rio de Janeiro, nos impacta e provoca à uma série de reflexões e questões: Vivemos a cultura do estupro? O que alimenta esta cultura do estupro? Até quando mulheres temerão viver livremente sem serem apontadas como culpadas da violência que sofrem? Quem é o estuprador, onde ele está, o que ele representa em nossa sociedade? Até quando a sociedade, e em especial as mulheres, ficarão vulneráveis a este tipo de violência? Por que a perspectiva de punição efetiva se perde no caminhar dos processos?
  • Palestra “Que tal um papo de homem pra homem?” conta com participação da ONG SOS Mulher e Família

    Dia 09 de dezembro, às 15h30, ocorreu no Auditório Cícero Diniz, realizado pela Prefeitura Municipal de Uberlândia, o evento “Que tal um papo de homem para homem?”. Nessa oportunidade a ONG SOS Mulher e Família dedicou-se ao projeto cedendo o profissional do setor de psicologia da instituição, o psicólogo Rafael Barbosa Silva.
  • ONG SOS Mulher e Família faz atividade em escolas sobre violência

    Conforme a lei nº 11.988, de 27 de julho de 2009, ocorrem em todas as escolas de ensino fundamental e médio da rede pública do país, a atividade denominada Semana de Educação para a Vida. Em algumas das escolas em Uberlândia foram dos dias 30 de novembro a 4 de dezembro que tais atividades ocorreram. Nesta oportunidade singular, a ONG SOS Mulher e Família, esteve presente em 3 escolas: ESEBA - Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia, Escola Estadual Professor Inácio Castilho e Escola Estadual Ângela Teixeira. Tal atividade realizada pela equipe técnica de atendimento da ONG está prevista no estatuto da instituição, no qual contempla atividades de cunho socioeducativo.